top of page

Mercado em ‘modo TQQ’

Com apenas três pregões na semana, mercado só funciona Terça, Quarta e Quinta-feira


Com apenas três pregões na semana, mercado só funciona Terça, Quarta e Quinta-feira
Com apenas três pregões na semana, mercado só funciona Terça, Quarta e Quinta-feira

Dose diária: 🚨 Com apenas três dias de negócios nesta semana, os mercados domésticos estão em ‘modo TQQ’. Ou seja, só funcionam terça, quarta e quinta-feira. 
💉No mundo pós-pandemia, o esquema ganharia fama internacional com o fim do chamado home office e a volta do trabalho híbrido. Agora, é a vez do mercado aderir à moda e também entrar nessa onda - ainda que com menor disposição.
🤔Afinal, o mercado é avesso a pausas. Por isso, muitos ainda se perguntam por que não haverá pregão aqui na sexta-feira (29), enquanto Wall Street opera normalmente. 

O Ibovespa “subiu no vácuo” ontem e fechou na faixa dos 133 mil pontos pela primeira vez na história. Foi o sexto recorde em oito sessões e o terceiro consecutivo, com o giro financeiro perdendo vigor gradualmente. Na véspera, o volume foi 50% menor que o de um pregão normal. Já o dólar caiu ao menor nível desde agosto, aproximando-se dos R$ 4,80.


Apesar das novas marcas conquistadas pelos ativos locais, os dias de baixa liquidez devem continuar até amanhã (28), último pregão da bolsa brasileira neste ano. Com apenas três dias de negócios nesta semana, os mercados domésticos estão em ‘modo TQQ’. Ou seja, só funcionam terça, quarta e quinta-feira. 


A sigla ficou conhecida no mercado financeiro quando um certo ex-diretor do Banco do Brasil assumiu a presidência da Petrobras durante o governo Dilma. Em meio à maior crise da história da estatal por causa da corrupção revelada pela Operação Lava-Jato, o executivo só era visto na sede da empresa, no Rio, às terças, quartas e quintas-feiras.


Alguns anos depois, no mundo pós-pandemia, o esquema ganharia fama internacional com o fim do chamado home office e a volta do trabalho híbrido em meio à vacinação em massa contra a covid-19. Agora, é a vez do mercado aderir à moda e também entrar nessa onda - ainda que com menor disposição.


Mercado sem pausa


Afinal, o mercado é avesso a pausas. A decisão do Congresso de aprovar o feriado da Consciência Negra em 20 de novembro em todo o país é o exemplo mais recente. Isso porque a redução de dias úteis teve impacto na curva de juros futuros, com alguns vencimentos beneficiando o doador de taxas e encarecendo o custo ao tomador. 


Além disso, a vacância ainda assombra os fundos imobiliários (FIIs) de escritórios, com muitas empresas oferecendo atrativos aos funcionários para o retorno do presencial. Por isso, muitos ainda se perguntam por que não haverá pregão aqui na sexta-feira (29), enquanto Wall Street opera normalmente. 


Esse dia a mais de pregão em Nova York pode ser a chance que o S&P 500 precisa para fechar em nível recorde pela primeira vez em cerca de dois anos. A menos de 0,5% da marca histórica, o índice acionário precisa subir no vazio, assim como o Ibovespa, para encerrar o segundo período mais longo de “seca”, de quase 500 dias.


Apesar do viés negativo vindo do exterior nesta manhã, os mercados vêm driblando uma realização e devem apenas cumprir tabela neste dia sem agenda econômica. Os investidores que ainda encontram oportunidades de compra e venda depois do Natal, embelezando suas carteiras antes da virada do ano e aproveitando o “modo TQQ” do mercado - ainda que curto. 


💊 Pílulas do Dia 

TQQ: Quem era o executivo na Petrobras conhecido como “presidente TQQ”? Relembre aqui

Buy dollar: Fim de ano faz a procura por dólar disparar em casas de câmbio. Saiba mais

“Lei de Bacha”: Foi Edmar Bacha, um dos pais do Plano Real, quem disse que a taxa de câmbio foi criada para humilhar os economistas. As previsões para o dólar em 2024 corroboram essa tese. Confira.


⏰️ Confira o desempenho dos mercados globais por volta das 7h20:

EUA/Futuros: Dow Jones -0,01%; S&P 500 -0,02% e Nasdaq +0,01%;

NY: Ibovespa em dólar (EWZ) +1,62% no pré-mercado; nos ADRs, Petrobras +0,43%;

Europa: índice Stoxx 600 +0,23%; Frankfurt +0,15%; Paris +0,22% e Londres +0,58%

Ásia/Fechamento: Tóquio +1,13%; Hong Kong +1,74%; Xangai +0,54%; 

Câmbio: DXY -0,05%, 101.42 pontos; euro +0,08%, a US$ 1,1054; libra -0,11%, a US$ 1,2711; dólar +0,11% ante o iene, a 142,56 ienes;

Treasuries: rendimento da T-note de dez anos em 3,874%, de 3,900% na sessão anterior; o rendimento da T-bill de 2 anos estava em 4,296%, de 4,285% mesma comparação;

Commodities: ouro +0,46%, a US$ 2.079,20 a onça na Comex; petróleo WTI -0,35%, a US$ 75,31 o barril; Brent -0,55%, a US$ 80,64 o barril; o contrato futuro do minério de ferro mais líquido (maio/24) fechou em -0,15% em Dalian (China), a 979 yuans após ajustes (US$ 136,73). 



Posts Destacados
bottom of page