Sell in May...


O novo mês começou dando uma ideia do que está por vir e que faz jus a um dos mais conhecidos adágios do mercado financeiro: “Venda em maio e vá embora” (Sell in May and go away). As perdas de quase 3% em Wall Street na última sexta-feira, quando boa parte do mundo celebrava o Dia do Trabalho, já contratam um ajuste negativo aos ativos domésticos hoje.


E a nova queda apontada pelos índices futuros das bolsas de Nova York nesta manhã tende a ampliar o recuo dos negócios locais, após encerrarem abril com valorização, com o Ibovespa reavendo a faixa dos 80 mil pontos e o dólar fechando acima de R$ 5,40. E além do sinal vermelho vindo do exterior, a cena política é um fator adicional de pressão.


Afinal, ontem, o presidente Jair Bolsonaro voltou a apoiar novo ato antidemocrático em Brasília e afirmou que não vai mais “admitir interferência”, referindo-se aos outros dois Poderes, e acrescentou que as Forças Armadas estão “ao lado do povo”. Além disso, ainda não se sabe se serão conhecidos os resultados dos exames feitos por ele para comprovar se foi contaminado (ou não) pelo novo coronavírus. A Justiça (TRF-3) suspendeu a entrega dos exames, que estava prevista para o último sábado, e deu um prazo de mais cinco dias para que o caso seja analisado.


Também é grande o suspense em torno do conteúdo do depoimento do ex-ministro Sergio Moro, que durou 8 horas. Relatos na imprensa dão conta de que ele teria entregue provas materiais (áudios, troca de mensagens e emails) no depoimento realizado no sábado na sede da Polícia Federal, em Curitiba. “Tem bastante coisa”, teria dito Moro a interlocutores, reafirmando as acusações contra Bolsonaro sobre crimes de interferência política na PF.


O presidente, porém, tenta se esquivar das denúncias e estuda renomear o delegado Alexandre Ramagem para o cargo de diretor-geral da PF. A indicação dele foi barrada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, por decisão provisória, citando princípios da legalidade e da impessoalidade nas nomeações para cargos públicos. Bolsonaro também avalia mudar o comando do Exército, removendo o general Edson Leal Pujol.


Esses riscos políticos tendem a potencializar as perdas nos mercados domésticos, que já começam a semana tendo de se ajustar ao pregão da última sexta-feira em Nova York e enfrentando ventos contrários vindos do exterior. O sinal negativo vindo de Wall Street nesta manhã embute perdas de mais de 2% na Europa.


As bolsas no velho continente interrompem uma sequência de três altas seguidas, com as ações dos bancos liderando as baixas. Na Ásia, a sessão foi esvaziada, com as praças no Japão e na China ainda fechadas em razão do feriado. Hong Kong, porém, caiu 4%. Já no Pacífico, a Bolsa de Sydney teve alta de 1,4%.


Nos demais ativos, o dólar se fortalece em meio à busca por proteção e o petróleo cai, com o WTI perdendo mais que o Brent. De um modo geral, os investidores reagem ao aumento das tensões entre Estados Unidos e China e já mostram certa mudança no apetite por risco com a chegada de maio.


...and go away


Afinal, mais importante do que o viés para o dia é a indicação do que esperar para o último mês antes do início das férias de verão nos Estados Unidos, que costumam ocorrer entre o Memorial Day (25 de maio) e o Labor Day (7 de setembro). Aos poucos, o foco dos investidores vai se deslocando da pandemia de coronavírus e se voltando para outras questões.


Afinal, o presidente dos EUA, Donald Trump, deixou claro neste início de mês que já está em campanha pela reeleição e que a estratégia para vencer o rival Joe Biden em novembro é atacar a China. Um documento com quase 60 páginas aconselha candidatos republicanos a acusarem o país asiático agressivamente de tudo, inclusive vinculando Pequim aos oponentes democratas.


A mais recente investida abala Wall Street desde o fim da semana passada, em meio a relatos de que a Casa Branca busca medidas de retaliação contra a China, indo desde tarifas comerciais até ações mais drásticas, como retirar o selo de “imunidade soberana”, o que permitiria aos EUA processar os chineses pelos danos causados pela Covid-19. Aliás, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, diz haver “enormes evidências” de que o vírus foi criado em um laboratório em Wuhan, primeiro surto da doença, relegando a afirmação da OMS, de que o coronavírus é de “origem natural”.


Pequim, por sua vez, não demorou em responder e viralizou uma animação em Lego intitulada “Era uma vez um vírus (Once Upon a Virus)”, a qual foi vista pelo Ocidente como fazendo chacota da maneira como a “América” respondeu ao novo coronavírus. Mais que isso, a China alardeou o mercado financeiro global ao criar uma moeda digital soberana, que seria uma alternativa ao sistema de liquidação em dólar.


A proposta visa, a longo prazo, abandonar o dólar como referência nas transações comerciais, fazendo com que a moeda deixe de ser uma ferramenta política dos EUA. Mais que isso, o governo chinês avalia que é preciso haver uma conexão maior entre a economia real e os preços dos ativos no mercado financeiro, que vivem um longo período de “exuberância irracional” - para lembrar a famosa frase do ex-presidente do Federal Reserve Alan Greenspan.


Por tudo isso, o provérbio que marca o novo mês sugere que maio pode até não presenciar uma forte onda vendedora (sell off) dos mercados globais, tal qual se viu após o carnaval. Mas os investidores devem, ao menos, redobrar a cautela e reduzir o ritmo de compras dos ativos mais arriscados, adotando uma postura de “esperar para ver” o que está por vir durante um longo inverno.


Aliás, a chamada “segunda onda” de coronavírus não está descartada até o fim do ano, o que pode comprometer a recuperação da atividade global após a flexibilização das medidas ora adotadas de isolamento social. Esse risco fortalece a visão de que o processo de retomada pode se dar em forma de “W” em vários países, como nos EUA, ou em “L”, com algumas nações, como o Brasil, tendo dificuldade para reerguer suas economias.


Semana de agenda cheia


Em meio a tudo isso, os investidores ainda têm de lidar com uma agenda econômica carregada de indicadores e eventos relevantes. No Brasil, o destaque é, sem dúvida, a decisão de juros do Comitê de Política Monetária (Copom). A expectativa majoritária é de um novo corte na Selic, de mais meio ponto, para 3,25%.


Com isso, as atenções estarão no comunicado que acompanhará o anúncio da decisão, na quarta-feira, que pode dar pistas sobre a intenção do Banco Central de interromper (ou não) o ciclo de cortes. Nas duas últimas reuniões, o Copom disse ver como “adequado” o fim da flexibilização monetária, mas acabou dando continuidade ao processo.


A grande questão é como o dólar irá se comportar se a taxa básica de juros buscar novos pisos históricos, podendo vir até abaixo de 3%. A baixa atratividade dos juros reais pagos pelo Brasil em relação a outros países (carry over) é um dos motivos que têm afastado o investidor estrangeiro dos ativos brasileiros - inclusive da renda variável.


Entre os indicadores econômicos domésticos, merecem atenção o desempenho da produção industrial em março (amanhã) e os números da inflação oficial ao consumidor brasileiro (IPCA), na sexta-feira. Neste mesmo dia, no exterior, será conhecido o relatório oficial do mercado de trabalho nos Estados Unidos (payroll).


O documento ganha importância porque pode refletir de modo mais claro os mais de 30 milhões de pedidos de auxílio-desemprego feitos nas últimas seis semanas, confirmando que todos os postos de trabalho criados nos EUA durante o mais longo boom do emprego foram eliminados em cerca de um mês. Já a taxa de desemprego deve subir a 20%.


Dados de atividade no setor de serviços norte-americano, chinês e na zona do euro em abril, ao longo da semana, também estão em destaque, além da decisão de juros de outro BC, o da Inglaterra (BoE). Na temporada de balanços, destaque para o resultado financeiro do Itaú, hoje, após o fechamento do mercado.


Confira a seguir os principais destaques desta semana, dia a dia:

*Horários de Brasília

Segunda-feira: A semana começa com a divulgação das tradicionais publicações domésticas do dia, a saber, o boletim Focus do Banco Central (8h25) e os dados da balança comercial referentes ao mês de abril (15h). Na safra de balanços, Itaú, BRF e Eletrobras divulgam seus resultados do primeiro trimestres deste ano. Já no exterior, serão conhecidas as encomendas às fábricas no EUA em março (11h).


Terça-feira: O dia traz indicadores sobre a atividade econômica. No Brasil, o IBGE divulga o desempenho da produção industrial em março, enquanto nos EUA serão conhecidos os índices PMI e ISM sobre o setor de serviços no mês passado. Também merecem atenção os números da balança comercial norte-americana em março e o balanço trimestral da Embraer.


Quarta-feira: A decisão de juros do Copom é o grande destaque do dia, mas só será conhecida após o fechamento do mercado. Antes, o BC entra em cena para anunciar os números de abril do fluxo cambial. Pela manhã, saem número sobre o varejo e o setor de serviços na zona do euro, enquanto nos EUA serão conhecidos os dados da ADP sobre o mercado de trabalho no setor privado e os estoques semanais de petróleo bruto e derivados. Já no fim do dia, a China informa o índice PMI sobre o setor de serviços e os dados da balança comercial.


Quinta-feira: Uma nova decisão de política monetária, desta vez, do Banco Central da Inglaterra (BoE) está entre os destaques do dia. Também merecem atenção os pedidos semanais de auxílio-desemprego feitos nos EUA e os dados sobre o custo da mão de obra e a produtividade no país nos três primeiros meses deste ano. Já no Brasil, o calendário traz apenas os indicadores antecedentes da indústria automotiva (Anfavea), o que concentra as atenções no balanço trimestral da Petrobras.


Sexta-feira: A semana chega ao fim trazendo os grandes destaques deste início de mês. As atenções se dividem entre o índice oficial de preços ao consumidor brasileiro (IPCA) e o relatório oficial sobre o mercado de trabalho nos EUA (payroll). Também será conhecido o IGP-DI de abril. No Reino Unido, a Bolsa de Londres permanece fechada devido a um feriado.


Posts Destacados
Posts Recentes
Posts Relacionados

Inscreva-se 

Receba as principais notícias por e-mail.

 

Por favor, insira um email válido

  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow

© 2015  Olívia Bulla By ImageLab.