Feriado hoje, feriado amanhã

20.05.2020

 

O mercado financeiro deu um jeitinho e vai funcionar normalmente hoje e amanhã, apesar de a Prefeitura de São Paulo ter antecipado o feriado de Corpus Christi, que neste ano ocorre em junho, e o Dia da Consciência Negra, celebrado apenas em novembro. Mas a liquidez deve ser menor, principalmente à tarde, já que os bancos fecham às 14h.

 

Ainda mais diante de uma agenda econômica fraca e da ausência de novidades, o que deixa os mercados no exterior sem um rumo definido. Aqui, a tensão política segue. Mas os investidores não estão atentos às mais de mil mortes por Covid-19 registradas ontem nem à insistência do presidente Jair Bolsonaro ao uso da cloroquina - para quem for de direita. "Quem for de esquerda, toma tubaína", disse ele ontem, durante uma live.    

 

É grande a possibilidade de o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello retirar hoje o sigilo total do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, citada pelo ex-ministro Sergio Moro como prova das acusações de interferência na Polícia Federal. Relatos na imprensa dão conta de que o decano teria ficado incrédulo com o conteúdo. 

 

Em outra frente, Paulo Marinho deve falar hoje à PF, no Rio de Janeiro. Na semana passada, ele afirmou, em entrevista, que Flávio Bolsonaro teria sido avisado por um delegado da PF sobre a operação que investigava a prática de “rachadinha”. O empresário, suplente de Flávio no Senado, alega ter “elementos que comprovam” seu relato. 

 

No mercado

 

A ver se esse noticiário doméstico irá afetar os ativos locais, um dia após o Ibovespa sucumbir à realização de lucros vista em Wall Street, mas segurar-se na faixa dos 80 mil pontos. O dólar, por sua vez, encerrou em alta, cotado acima de R$ 5,75, sendo que o Banco Central precisou atuar via leilão no mercado futuro (swap cambial).

 

Lá fora, a decepção em relação a uma potencial vacina contra o coronavírus em breve e as sucessivas ameaças do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de modo a desviar a atenção das dificuldades da Casa Branca para conter a disseminação do vírus no país, deixam os ativos de risco sem uma direção definida para o dia. 

 

A começar pela Ásia, onde a sessão foi mista, digerindo a decisão do Banco Central chinês (PBoC), de manter a taxa referencial de juros para empréstimos. No Ocidente, enquanto as principais bolsas europeias abriram no vermelho, os índices futuros das Bolsas de Nova York amanheceram em alta. Nos demais mercados, o petróleo cai e o dólar se fortalece.  

 

Percebe-se, então, que o clima mais pesado nos mercados, que marcou a reta final do pregão ontem, ainda não se dissipou. Os investidores ainda digerem a declaração do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, de que a economia dos EUA só irá voltar à normalidade com a descoberta de uma vacina. Por sua vez, o otimismo sobre uma vacina foi abalado, após dúvidas em relação ao resultado de testes “promissores”. 

 

Ata do Fed em destaque

 

A agenda econômica do dia traz como destaque a ata da última reunião de política monetária do Fed (15h), em abril, quando a taxa de juros seguiu próxima a zero. O documento será lido com lupa, em buscas de pistas sobre o impacto econômico causado pela pandemia de coronavírus.  

 

Entre os indicadores, serão conhecidos uma nova prévia deste mês do IGP-M (8h), os dados semanais sobre o fluxo cambial no Brasil (14h30) e os estoques de petróleo bruto e derivados nos EUA (11h30), além da leitura final de abril do índice de preços ao consumidor (CPI) na zona do euro, logo cedo.

 

 

Please reload

Posts Destacados

Mercado olha para além do horizonte

27.05.2020

1/8
Please reload

Posts Recentes

25.05.2020

22.05.2020

Please reload

Posts Relacionados
Please reload

Inscreva-se 

Receba as principais notícias por e-mail.

 

  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow

Por favor, insira um email válido

© 2015  Olívia Bulla By ImageLab.