BC surpreende ontem e o dólar, hoje

07.05.2020


 

Surpreendente. O Banco Central causou surpresa ontem no mercado financeiro não apenas com a decisão de cortar a taxa básica de juros em 0,75 ponto, para 3%, por unanimidade, mas também diante da sinalização de que na próxima reunião “considera um último ajuste, não maior do que o atual”, o que pode levar a Selic para até 2,25% em junho. 

 

E o desfecho do encontro deste mês do Comitê de Política Monetária (Copom) tende a agitar os ativos domésticos hoje. Afinal, a expectativa majoritária era de queda menor do juro básico, de meio ponto, para 3,25%, ao mesmo tempo em que havia dúvidas sobre se a porta ficaria aberta para cortes adicionais nas reuniões seguintes.  

 

O foco do dia está, certamente, no dólar, que ontem já renovou o recorde em relação ao real, conquistando a faixa de R$ 5,70, e hoje pode buscar novos topos históricos, indo além até da cotação máxima desde o início do Plano Real (1994), a R$ 5,75, alcançada durante pregão no mês passado. Há quem diga que a “casa” dos R$ 6,00 é logo ali.  

 

A questão é que com a taxa nominal de 3%, podendo ir a 2,25% em breve, os títulos da dívida pública brasileira se tornaram menos rentáveis, aos olhos dos investidores estrangeiros. E essa perda de atratividade afasta ainda mais os aportes do capital externo [especulativo/financeiro] no país, abrindo caminho para a saída de recursos.

 

Tiro pela culatra

 

Com a queda da Selic ontem, o Brasil figura em oitavo lugar no ranking de maior pagador de juro real (taxa de juros nominal descontada a inflação projetada), ficando atrás de rivais emergentes como Indonésia, que lidera a lista, Argentina, Rússia, México e Turquia, entre outros países do sudeste asiático. 

 

Internamente, o estímulo adicional do BC também parece ser inócuo. Afinal, não é de hoje que a taxa básica de juros está em um nível estimulativo, mas isso não tem sido refletido em ganho de tração da atividade. Os indicadores já sinalizavam um ritmo fraco da economia na virada do ano, que acabou entrando em depressão com a pandemia de coronavírus. 

 

E não é derrubando a Selic que o vírus irá desaparecer. Nem é porque o juro básico está no piso histórico que os bancos vão emprestar mais. Como já dito aqui, os balanços de Bradesco e Itaú no início do ano já sinalizavam maior preocupação com calotes, diante do desemprego em massa, da destruição da renda da população e da falência de empresas.

 

Há, portanto, uma elevada percepção de risco por causa da crise na saúde. Ainda mais diante da deterioração das contas públicas, com o governo agindo contra os anseios da equipe econômica de Paulo Guedes e ajudando a descongelar o salário dos servidores públicos, no projeto de auxílio aos estados e municípios. O risco fiscal é crescente.  

 

Ou seja, não é o juro baixo que irá resolver os problemas do país agora, enquanto ainda tenta combater a disseminação do vírus, nem no cenário pós-pandemia, quando a economia terá um “novo normal” e o rombo nos cofres da União será maior. Sabe-se, então, que o Brasil não tem fundamento de longo prazo para sustentar juros de país desenvolvido e isso pode causar novos problemas à frente.  

 

Exterior no azul

 

Já a Bolsa brasileira fica mais atraente, com a renda variável ganhando competitividade em relação à renda fixa, o que, somado ao renovado apetite por ativos de risco no exterior tende a favorecer o Ibovespa hoje. Lá fora, os índices futuros das bolsas de Nova York sobem mais de 1%, deslocando o foco da pandemia para a temporada de balanços.

 

As principais bolsas europeias pegam carona no rali em Wall Street, reagindo também à decisão antecipada do Banco Central da Inglaterra (BoE) de manter, por unanimidade, a taxa de juros em 0,1%, bem como o programa de recompra de bônus em 200 bilhões de libras. O anúncio da decisão era esperado apenas para o início da manhã (8h, de Brasília).  

 

Na Ásia, porém, a sessão foi mista, com ligeira alta em Tóquio (+0,3%), mas quedas em Xangai (-0,2%) e em Hong Kong (-0,5%). Enquanto no Ocidente os investidores se apoiam na perspectiva de reabertura da economia e se voltam aos resultados corporativos, no Oriente, persiste a preocupação com o coronavírus e a escalada da tensão comercial entre Estados Unidos e China. 

 

As declarações do presidente Donald Trump sobre o comércio com a China e acusações a Pequim pela pandemia pesaram na Ásia. Aliás, parece claro que se em 2016 o discurso eleitoral de Trump tinha como alvo a construção de um muro que seria pago pelo México, em 2020, a retórica será contra a China, que deve pagar pelos danos causados pela Covid-19 no mundo.

 

Portanto, a disputa estratégica entre as duas maiores economias do mundo deve esquentar nos próximos meses, já que as eleições presidenciais nos EUA ocorrem em novembro, o que pode elevar a volatilidade dos ativos de risco até lá. Com isso, o mercado não deu muita atenção aos dados da balança comercial nem do setor de serviços na China em abril.

 

Nos números, as exportações cresceram 3,5%, em base anual, depois de caírem 6,6% em março. A previsão era de queda de 11%. Já as importações recuaram 14,2% no período, menos que o estimado (-12,2%). Assim, houve um superávit comercial de US$ 45,34 bilhões no mês passado, bem acima da estimativa de saldo positivo de US$ 9 bilhões.

 

Segundo o governo chinês, os números refletem, principalmente, o aumento das exportações para países do sudeste asiático e vinculados à iniciativa do Cinturão e Rota (One Belt, One Road), que estava represadas por causa da paralisação da atividade na China durante o combate ao coronavírus. 

 

Já o índice dos gerentes de compras (PMI) do setor de serviços medido pelo Caixin subiu a 44,4 em abril, de 43 em março, mas permaneceu em território que indica contração da atividade - abaixo da linha de 50, o que indica as dificuldades das atividades do setor de retomar os negócios após o fim do bloqueio (lockdown).    

 

Emprego nos EUA segue em destaque

 

Novos indicadores sobre o mercado de trabalho nos EUA serão conhecidos hoje. Desta vez, às 9h30, saem os pedidos de auxílio-desemprego feitos no país na semana passada, que devem manter a leitura de 3 milhões de solicitações semanais, e os dados preliminares sobre o custo da mão de obra e da produtividade nos três primeiros meses deste ano. 

 

À tarde, é a vez dos dados sobre o crédito ao consumidor norte-americano em março (16h). No Brasil, o calendário de indicadores econômicos está esvaziado, o que desloca as atenções para a safra de balanços, que traz os resultados referentes ao primeiro trimestre deste ano de peso-pesados como Banco do Brasil, Ambev, Lojas Americanas e B2W.

 

Please reload

Posts Destacados

Mercado fica com o pé atrás

22.10.2020

1/8
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Posts Relacionados
Please reload

Inscreva-se 

Receba as principais notícias por e-mail.

 

Por favor, insira um email válido

  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow

© 2015  Olívia Bulla By ImageLab.