A tensão se volta para Jackson Hole

24.08.2018

 

O mercado financeiro continua sendo pautado pela cena eleitoral, a uma semana do início da campanha na TV e em meio à expectativa de que a propaganda gratuita possa alterar a composição dos candidatos apontada nas últimas pesquisas. Ainda assim, depois de passar dias descolado do exterior, o ambiente lá fora pode influenciar mais os negócios locais hoje.

 

Afinal, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, discursa pela manhã (11h) durante o tradicional encontro de banqueiros centrais no simpósio na bucólica cidade de Jackson Hole (Wyoming). Lá, ele deve falar sobre política monetária e a expectativa é de que dê sinais claros sobre os próximos passos na condução da taxa de juros norte-americana.

 

Além de confirmar a esperada alta em setembro - a terceira neste ano, Jay pode tratar de questões geopolíticas e comerciais em torno dos EUA. As disputas tarifárias com a China tendem a representar um risco ao crescimento econômico da maior economia do mundo, desacelerando a taxa de expansão ao longo deste segundo semestre, assim como a deterioração dos ativos da Turquia e de outros países emergentes pode afetar o ritmo da atividade global.

 

Mas Powell também pode se esquivar desses assuntos, após as críticas sem precedentes do presidente dos EUA, Donald Trump, de modo a evitar um conflito com a Casa Branca. As eleições legislativas em novembro (mid term elections) também elevam a tensão em Wall Street, em meio a um drama legal sobre a campanha presidencial e as relações pessoais do republicano, que podem levar a um pedido de impeachment de Trump.

 

Como pano de fundo de todo esse cenário, está o processo de normalização monetária nas economias desenvolvidas, encabeçado pelo Fed. Isso significa que os principais bancos centrais do mundo estão reduzindo os estímulos artificiais, ainda em que estágios diferentes, rumo à eliminação total, dando início à era de escassez de recursos.

 

Nesse ambiente, as economias terão de avançar com sua própria força, sem nenhum “empurrãozinho” por parte dos BCs e com uma taxa de juros mais condizente. À espera da fala do presidente do Fed, as bolsas avançam desde a Ásia - exceto na China - passando pela Europa e chegando em Nova York. O dólar, por sua vez, recua, o que favorece o petróleo.

 

Os investidores estão no aguardo do grande evento da agenda econômica desta sexta-feira, que traz ainda as encomendas de bens duráveis nos EUA em julho (9h30). No Brasil, destaques para os índices de confiança do comércio e do consumidor em agosto (8h).

 

Por aqui, a atenção está mesmo é no noticiário em torno das eleições. Ontem, a decisão da Justiça Eleitoral (TSE), de dar um prazo de sete dias para que a defesa do ex-presidente Lula conteste as impugnações apresentadas à candidatura dele, atingiu em cheio os negócios locais.

 

Havia a esperança de que o prazo fosse menor ou até mesmo suprimido, de modo a impedir que o líder petista participe da campanha eleitoral em rádio e TV, a partir do dia 31. Para os candidatos a presidente a propaganda eleitoral começa no dia seguinte, sábado. Se for impugnada até 30 de agosto, Lula não pode aparecer como candidato do PT.

 

Mas a decisão do juiz Luís Roberto Barroso adicionou mais estresse aos negócios, redobrando a postura defensiva, uma vez que o registro da candidatura do ex-presidente deve ser julgado apenas em setembro, cumprindo-se a risca o rito processual. O prazo final é no dia 17 do mês que vem.

 

Diante disso, ninguém quer ficar exposto em um ativo local ou com uma aposta de queda (vendido) até saber o que vai ser definido sobre o pleito. Os principais receios são quando a candidatura de Lula será impugnada; quanto à transferência de voto para o então candidato do PT, Fernando Haddad; e sobre a possibilidade de um segundo turno entre PT e PSL.

 

Até que haja algum fato novo capaz de eliminar um desses pontos de incerteza, a deterioração do mercado financeiro brasileiro tende a continuar. A ausência do Banco Central no mercado de câmbio deixa o dólar flutuar livremente acima de R$ 4,00. Ontem, a moeda norte-americana já alcançou a faixa de R$ 4,10 e está colada à máxima histórica, de pouco mais de R$ 4,16, registrada em janeiro de 2016.

 

Hoje, a pesquisa de intenção de voto da XP Investimentos, feita pelo Ipespe e que será conhecida antes da abertura do pregão, pode voltar a fazer preço no mercado brasileiro. Ainda que com um metodologia questionável, as perguntas do levantamento têm sinalizado o potencial de Haddad na disputa, caso receba o apoio de Lula na campanha.

 

Nessa perspectiva, o cenário externo desafiador tende a ampliar a tendência ruim dos ativos, apesar da menor aversão ao risco lá fora nesta manhã. A fala de Powell em Jackson Hole pode definir a direção para o dia. Por aqui, qualquer boa notícia será vista como um alívio, enquanto os investidores aguardam o veredicto das urnas em outubro.


 

Please reload

Posts Destacados

Mercado ainda abalado por BCs

18.09.2020

1/8
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Posts Relacionados
Please reload

Inscreva-se 

Receba as principais notícias por e-mail.

 

  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow

Por favor, insira um email válido

© 2015  Olívia Bulla By ImageLab.