Até o ano que vem!


Ficou mesmo para 2018 a votação da reforma da Previdência, o que deve manter o nervosismo nos mercados domésticos nesta reta final do ano. Afinal, com o adiamento da principal medida do governo para equilibrar as contas públicas, o cenário brasileiro para o ano que vem fica mais nebuloso, agravando as incertezas quanto à sucessão presidencial.

A leitura do parecer do relator da reforma da Previdência, Arthur Maia, ontem no plenário da Câmara dos Deputados era apenas um jogo de cena e serviu somente para deixar ao presidente da Casa, Rodrigo Maia, o anúncio oficial de que a proposta será avaliada na volta do recesso legislativo, em fevereiro. O líder do governo, Romero Jucá, só se adiantou.

Com o carnaval em meados daquele mês, os investidores já dão como improvável a aprovação das novas regras para a aposentadoria logo no início do próximo ano. Até porque, o principal motivo para a não votação da reforma da Previdência em 2017 ainda é a falta de apoio suficiente da base aliada.

Ou seja, o governo ainda precisa conquistar os 308 votos necessários para passar a matéria ao Senado, mas a pausa no Congresso por quase dois meses deve dificultar as negociações. Além disso, nada garante que a estratégia para aglutinar um maior número de deputados não irá resultar em novas alterações na versão já enxuta das regras para aposentadoria. A flexibilização da regra de transição para servidores é um dos exemplos.

Com o adiamento, o presidente Michel Temer passará o mês de janeiro tentando convencer parlamentares indecisos e buscar votos, mesmo sendo período de recesso. Essa também será a missão do novo ministro Carlos Marun, que toma posse hoje. A cerimônia contará com a presença de Temer, que deve receber alta pela manhã e retornar a Brasília.

Talvez, portanto, o espaço de tempo entre a retomada dos trabalhos no Legislativo e a data da votação (19 de fevereiro) seja curto para construir uma base sólida, ainda mais com o carnaval no meio do caminho. Aliás, passada a folia do ziriguidum, ganha prioridade as movimentações partidárias visando os candidatos que devem disputar o pleito eleitoral.

Nessa época, é bom lembrar, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, deve decidir se vai se lançar presidenciável ou se fica na Pasta e intensifica os esforços para aprovar a “agenda positiva”. Afinal, além da Previdência, o governo tem de tocar outras pautas importantes, como mudanças no sistema tributário e a privatização da Eletrobrás.

O problema vai ser convencer os parlamentares da importância de aprovar temas tão polêmicos em pleno às vésperas das eleições. Por isso, a votação da reforma da Previdência será quando o governo julgar o momento como adequado, sem saber se haverá de fato um período oportuno para mudar a idade mínima e o tempo para aposentar, entre outros pontos.

Mais que isso, à medida que ganhar força a discussão sobre os prováveis candidatos nas eleições – lembrando que o futuro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode ser definido em janeiro - e que o panorama da disputa ficar mais claro pelas pesquisas eleitorais, tende a ser crescente também a percepção de que é melhor votar uma agenda de reformas de um governo eleito, em 2019, após debate da proposta na campanha.

Com isso, os mercados domésticos devem apenas cumprir tabela nas próximas duas semanas, mantendo a valorização de quase 30% da Bovespa no ano e sustentando o principal índice acionário nos 70 mil pontos, ao passo que o dólar tende a se manter na faixa até R$ 3,35. Já os juros futuros não devem alterar a aposta de que cabe ao menos mais um corte na taxa básica de juros, fixando um novo piso histórico da Selic em 6,75%.

Por isso, essa publicação diária volta apenas nos dois últimos dias de negócios (dias 27 e 28), pouco antes do apagar das luzes desse ano de 2017 que, confirmando o que se falou lá atrás, foi um período em que tudo poderia acontecer...inclusive nada. Afinal, foram mais expectativas montadas do que confirmadas, com muitas negociações e poucos resultados efetivos no campo econômico, seja no Brasil, seja no exterior.

Aliás, lá fora, os investidores ainda têm dúvidas sobre a reforma tributária do governo Trump, que entra em vigor no ano que vem. As incertezas quanto ao impacto do corte de impostos a empresas e famílias na economia norte-americana, bem como ao apoio de republicanos à proposta, pesaram no índice Dow Jones ontem, que interrompeu uma sequência de cinco altas consecutivas.

O sinal negativo em Wall Street ontem pesou no pregão asiático hoje. Nesta manhã, porém, os índices futuros das bolsas de Nova York estão no positivo, mas ainda não embalam a abertura da sessão na Europa, com as praças da região estendendo as perdas da véspera. O dólar, por sua vez, caminha para a primeira semana de queda no mês, diante dos sinais suaves ("dovish") vindo dos bancos centrais dos Estados Unidos e da zona do euro.

Na agenda econômica do dia, merecem atenção o desempenho do setor de serviços no Brasil em outubro (9h) e a produção industrial nos Estados Unidos em novembro (12h15).

#reforma #Previdencia #Temer #Maia #Meirelles #Trump

Posts Destacados
Posts Recentes
Posts Relacionados

Inscreva-se 

Receba as principais notícias por e-mail.

 

Por favor, insira um email válido

  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow

© 2015  Olívia Bulla By ImageLab.