Cada qual com a sua guerra

13.04.2017

 

O anúncio de um "grande evento" na Coreia do Norte, que disse aos jornalistas estrangeiros para se preparem para um dia importante, deixa os mercados financeiros em alerta nesta quinta-feira. A expectativa é de que Kim Jong-un faça um novo teste nuclear nas próximas horas, o que eleva a cautela nos negócios lá fora e tende a redobrar a postura defensiva por aqui, após vídeos das delações premiadas de executivos da Odebrecht detalharem o caminho da propina a vários políticos.

 

Nesse ambiente, os investidores ainda precisam repercutir a decisão do Banco Central, ontem à noite, que confirmou a previsão e cortou a taxa básica de juros (Selic) em um ponto porcentual (pp), na maior queda desde 2009, acelerando o passo em relação às decisões anteriores. Para o BC, essa "intensificação moderada" mostra-se "adequada".

 

No comunicado, a autoridade monetária afirma que tem espaço para levar a Selic a 8,5% até o fim deste ano, diante da dinâmica da atividade e da trajetória da inflação. Mas o BC também apontou os riscos concretos a esse cenário, lançando luz sobre a necessidade da contribuição do lado fiscal para a eficácia da política monetária, a sustentabilidade da desinflação e a redução da taxa de juros estrutural.

 

E é aí que pesam os desdobramentos da “Lista de Fachin”, pois trazem dúvidas quanto ao andamento das reformas no Congresso. Apesar do sangue-frio exibido pelos negócios locais ontem, qualquer avaliação conclusiva em relação ao mais recente episódio de crise política será precipitada. O que não se sabe é até quando vai durar essa sensação de tranquilidade e de normalidade que governo (e mercado) tentam manter...

 

A aposta é de que vai ser difícil manter os nervos controlados com Brasília, ainda mais após a divulgação das primeiras imagens e áudios com detalhes dos delatores sobre as tratativas para pagamento de propina a políticos com foro privilegiado. Nesta véspera de feriado, que deve trazer mais novidades, todo cuidado é pouco.  

 

O temor é de que a divulgação do conteúdo das delações de executivos da Odebrecht cause um estrago político de alcance muito maior e ameace colocar a perder a reforma da Previdência. É válido lembrar que o que definiu a queda da ex-presidente Dilma Rousseff foi um áudio vazado pelo juiz Sérgio Moro e transmitido em rede nacional.

 

E pouco adianta querer desviar o foco para outros alvos de investigação, sem foro privilegiado, quando peças importantes do núcleo do governo Temer e vários partidos da base aliada são investigados. São 900 horas de gravação com os depoimentos de quase 80 executivos, sendo que nem o governo nem a oposição tem teto de vidro para tirarem proveito de tais eventos.

 

A própria decisão do presidente Michel Temer de só afastar ministros que virarem réus pode cair por terra à medida que verificar a gravidade de cada acusação. Se a coisa ficar feia, vai ser complicado Temer sustentar sua equipe e manter o governo funcionando, deixando o "Judiciário agir, sem paralisar o Legislativo".

 

As primeiras declarações do presidente, na esteira da divulgação da “Lista de Fachin”, já estão sob suspeita. Afinal, os parlamentares podem tanto agir para desviar o foco das investigações, indo para o “ou tudo ou nada” e anistiar o crime de caixa 2, como também podem largar de vez a pauta de votações – principalmente aqueles que escaparam da lista e que não devem se mostrar dispostos em ir para o sacrifício.

 

Para o vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho, o governo terá dificuldades em aprovar a agenda de reformas, após a abertura de inquéritos contra políticos. Segundo ele, o governo deveria recolher a proposta de mudança de regras na aposentadoria e discutir a questão com a sociedade. “Melhor recolher do que perder”, disse.

 

Seja qual for a estratégia adotada, o fato é que as delações da Odebrecht enfraquecem o governo Temer e embaralham a sucessão presidencial em 2018 - o que é o grande temor dos investidores, que ficam sem saber que deve assumir o país na virada da década. Afinal, os inquéritos abertos atingiram em cheio os principais candidatos, deixando a disputa ainda mais imprevisível.

 

Imprevisível também é o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Após semanas de relativa calmaria nos mercados, os investidores estão tentando entender as intervenções de Trump, que elevam os riscos geopolíticos, enquanto ainda digerem o fim da era do dinheiro fácil via os estímulos dos bancos centrais e aguardam as principais eleições na Europa.

 

Por enquanto, os mercados internacionais ainda ecoam a fala do republicano ontem, dizendo que o dólar está "muito forte" e isso é culpa dele, "porque as pessoas confiam em mim"; e sinalizando que Janet Yellen pode continuar à frente do Federal reserve após 2018. As declarações enfraquecem a moeda e enxugam o prêmio dos títulos norte-americanos (Treasuries), mas não animam as commodities.

 

Trump também abandonou a promessa de campanha e disse que não irá classificar a China como um país "manipulador da moeda", em meio às críticas internacionais sobre o uso do renminbi (yuan) como âncora cambial, sustentado a preços artificiais. Para Trump, um acordo comercial com Pequim depende da ajuda em relação à Coreia do Norte.

 

E é esse país que desponta como o maior risco do dia. Enquanto Rússia e EUA ainda tentam se entender em relação à Síria, a imprensa estrangeira deslocou-se para Pyongyang, após ter sido instruída a preparar-se para um "grande e importante evento". Cerca de 200 jornalistas estão na capital, às vésperas do chamado "Dia do Sol", o maior feriado nacional, que comemora o nascimento do fundador do país, pai de Kim.  

 

Com as atenções voltadas à capital norte-coreanos, o sinal negativo prevalece nas bolsas. O pregão na Europa é contaminado pelo desempenho em Wall Street, após um sessão de perdas na Ásia. Nem mesmo o salto na balança comercial chinesa em março embalou os negócios na região, mas Xangai fechou com leves ganhos (+0,7%).

 

Em termos dolarizados, as exportações da China cresceram 16,4% em relação a um ano antes, bem acima da previsão de alta de 4,3%, enquanto as importações avançaram 20,3% no mesmo período, ante estimativa de +15,3%. O superávit comercial alcançou US$ 23,9 bilhões e reflete mais o aumento dos preços do que dos volumes.  

 

Ainda na agenda econômica do dia, será conhecido mais um indicador sobre a atividade doméstica. Desta vez, sobre o setor de serviços em fevereiro (9h), que deve mostrar alguma devolução da forte queda registrada em janeiro.

 

No exterior, saem o índice de preços ao produtor norte-americano (PPI) em março e os pedidos semanais de auxílio-desemprego feitos nos EUA, ambos às 9h30, além da leitura preliminar de abril da confiança do consumidor (11h).

 

 

 

Please reload

Posts Destacados

Mercado tem ressaca após rodada extra de BCs

17.09.2020

1/8
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Posts Relacionados
Please reload

Inscreva-se 

Receba as principais notícias por e-mail.

 

  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow

Por favor, insira um email válido

© 2015  Olívia Bulla By ImageLab.