A solução é alugar o Brasil?

21.02.2017

 

Os mercados financeiros voltam a operar a pleno vapor nesta terça-feira, com o retorno do pregão em Wall Street. Mas as novidades no front econômico ainda são poucas, o que desloca as atenções para Brasília, onde o dia deve ser movimentado, com a sabatina do ministro afastado Alexandre de Moraes na comissão do Senado e a apreciação de projetos sobre a repatriação de recursos e sobre a recuperação fiscal dos Estados.

 

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou ontem à noite que o plano da União que negocia as dívidas estaduais não "é nem mais nem menos que o necessário para que os Estados paguem suas contas". O projeto prevê a privatização do serviços de energia e saneamento, tal qual aconteceu ontem no Rio de Janeiro, além de exigir também a venda de bancos.

 

Os recursos obtidos devem ser destinados à quitação de passivos, sendo que o empréstimo do governo aos Estados terá finalidade predeterminada pela União, entre elas, o desligamento voluntário de pessoal e o corte de subsídios já existentes. O texto deve ser enviado ainda hoje ao Congresso e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, prevê que o projeto seja votado até a primeira quinzena de março.  

 

Os governadores têm criticado as contrapartidas exigidas ao socorro financeiro, que vão trazer sacrifícios à população, mas Meirelles mostrou a mão forte da União e a necessidade de ampliar o controle de gastos também aos Estados. Trata-se de mais um passo rumo ao ajuste fiscal prometido pelo governo Temer e que ainda depende da aprovação de reformas econômicas para ser efetivado.

 

Outra pauta que chega em breve ao Congresso é o projeto que libera a venda de terras a estrangeiros, cujo tema tem sido tratado diretamente pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha - acusado de crime ambiental pela Procuradoria-Geral da República (PGR). A proposta causa polêmica desde os anos 90 diante do temor de uma "invasão estrangeira" no país, mas a intenção do governo é que o texto seja votado após o carnaval.

 

Ontem, chamou atenção a decisão dos acionistas da Vale de tornar a mineradora em uma companhia de capital pulverizado. A empresa brasileira pioneira neste conceito de sociedade sem controle definido foi as Lojas Renner e o novo modelo societário permite uma igualdade de direitos entre os detentores de ações.

 

Com a medida, a Vale consegue se livrar da influência do governo nas decisões de negócios e abre caminho para a venda da mineradora no longo prazo. Nessa possível oferta a partir de 2020, os chineses estão de olho há tempos, a fim de se livrar da dependência do minério de ferro das mineradoras australianas.

 

Também em foco está a sabatina do indicado para a vaga de Teori Zavascki no Supremo Tribunal Federal (STF). Além de senadores, Moraes também poderá ser sabatinado por cidadãos que enviarem perguntas e comentários através da internet.

 

Se for aceito, permanece a dúvida sobre quem irá assumir o lugar dele no Ministério da Justiça, após a recusa de Carlos Velloso para o cargo, na sexta-feira passada. O presidente Michel Temer precisa escolher um substituto para o cargo e a mesa de apostas ainda não tem um nome favorito.

 

Ao mesmo tempo, o governo tenta medir os efeitos de mais um integrante envolvido em esquemas de corrupção no âmbito da Lava Jato - o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira. Mas isso tem sido deixado em segundo plano.

 

Mesmo com o calendário doméstico fraco hoje, é o noticiário macro que tem pautado os mercados locais. Os investidores têm dado preferência às informações positivas, como inflação e juros em queda, em detrimento aos bastidores políticos.

 

Assim, os negócios devem aguardar por indicadores e eventos econômicos mais relevantes para analisar e o grande destaque é são as sinalizações dos bancos centrais do Brasil (Copom) e dos Estados Unidos (Federal Reserve), amanhã.

 

Os investidores esperam por uma segunda dose de corte de 0,75 ponto porcentual na taxa básica de juros neste mês, o que levaria a Selic para 12,25%, e aguardam por pistas do Fed sobre quando deve ocorrer o primeiro aperto monetário deste ano. Enquanto isso, eles digerem dados de atividade na zona do euro e nos Estados Unidos, conhecidos pela manhã.

 

Hoje mais um membro votante do colegiado do Fed, o presidente da distrital da Filadélfia, Patrick Harker, disse que a opção de elevar os juros norte-americanos em março segue na mesa. Os comentários dele fortalecem o dólar, mas não inibem um sinal positivo entre as bolsas internacionais, com Nova York ditando o ritmo. As commodities também avançam, diante do aumento da demanda chinesa.

 

Os investidores mantêm o otimismo elevado, na expectativa pelo plano "fenomenal" do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre corte de impostos, que deve acelerar o crescimento econômico norte-americano e, de quebra, mundial, gerar inflação nas principais economias desenvolvidas. Ainda assim, há certa cautela nos mercados, antes dos eventos previstos para amanhã.

 

Please reload

Posts Destacados

Véspera de feriado testa rali

09.04.2020

1/7
Please reload

Posts Recentes

31.03.2020

Please reload

Posts Relacionados
Please reload

Inscreva-se 

Receba as principais notícias por e-mail.

 

  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow

Por favor, insira um email válido

© 2015  Olívia Bulla By ImageLab.