Quarta decisiva

31.08.2016

 

Ficou para a manhã de hoje a votação final do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, ampliando a relevância dos eventos e divulgações no Brasil nesta que promete ser uma “Super Quarta-feira”. Além da esperada decisão sobre o afastamento definitivo de Dilma, os investidores também aguardam os números do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre deste ano e o anúncio sobre a taxa básica de juros (Selic), agitando os negócios neste último pregão de agosto.

 

De um modo geral, a aposta dos mercados domésticos é de que Dilma cai, o PIB também e o juro fica estável. Se confirmado, esse prognóstico pode disparar ajustes nas carteiras, em um típico movimento de fim de mês. O destaque é a sessão de julgamento no Senado, que será retomada hoje às 11h, e deve se encerrar antes do meio-dia, após o anúncio do placar da votação em relação à cassação do mandato da presidente e à proibição de ocupar cargos públicos por oito anos.

 

Pouco antes da fase final do impeachment, às 9h, saem os números da economia brasileira no trimestre passado. A expectativa é de que o país tenha encolhido pelo sexto trimestre consecutivo, em -0,5% entre abril e junho em relação aos três primeiros meses de 2016.

 

Na comparação anual, o PIB deve cair pelo nono trimestre, em -3,5%, porém em um ritmo menos intenso que o recuo apurado no primeiro trimestre de 2016 também em relação a igual período de 2015 (-5,4%). Depois, a partir das 18h, passada a trama do impeachment, o Banco Central deve anunciar a manutenção da taxa Selic em 14,25% ao ano, pela nona vez consecutiva e no maior nível em 10 anos.

 

Entre um anúncio e outro, chama atenção também a divulgação dos números do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA), cujo prazo final de entrega ao Congresso termina hoje. A expectativa é de que a proposta contemple uma arrecadação maior com as receitas de concessões, fruto de um programa de privatização mais ousado que o previsto antes.

 

Mas deve ser mesmo na votação do processo contra o mandato de Dilma que as atenções estarão voltadas. Segundo o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, a decisão de adiar para hoje esta última etapa foi para atender a um rito específico e dar um espaço em relação às fases anteriores, concluídas na madrugada após o debate entre acusação e defesa, seguido dos discursos de senadores.

 

Para ser aprovado, o impeachment precisa ter o apoio de ao menos 54 parlamentares. E é exatamente no placar da votação que os investidores estão de olho. Uma ampla margem de votos a favor do processo dá sinais do tamanho da base aliada que Michel Temer terá, terminada a interinidade. Esse bloco de sustentação é fundamental para avaliar o caminho que o então presidente efetivo encontrará no Congresso para aprovar medidas impopulares.

 

A partir daí, Temer não terá mais desculpa para não começar a fazer o que vem sendo prometido – e, principalmente, para deixar de fazer nos bastidores o contrário do que vem sendo dito em público. Para o mercado, agora é preciso colocar em prática o ajuste fiscal, reduzindo os gastos e controlando as despesas, a fim de equilibrar o orçamento, restaurar a credibilidade e voltar a crescer.

 

Aliás, Temer deve fazer uma declaração breve hoje, por volta da hora do almoço, quando a votação do impeachment já deve ter sido encerrada. Antes de embarcar para a China, onde acontece o encontro do G-20, no início de setembro, ele ainda terá de ser empossado no Congresso, em uma solenidade rápida, de meia hora.

 

Mas o “teste de fogo” da governabilidade de Temer está na votação da proposta (PEC) que limita o aumento do gasto público à variação da inflação, impactando saúde e educação. A aprovação dessa emenda será decisiva para o comportamento dos mercados domésticos, que se anteciparam à mudança de governo, precificando êxito nas medidas de austeridade.

 

Porém, os negócios locais podem ter uma intensa realização de lucros, caso a nova gestão não consiga instituir tão facilmente as propostas. A outra peça-central de Temer é a reforma da Previdência, mas é muito difícil que tanto uma quanto outra sejam aprovadas antes das eleições municipais de outubro.

 

É válido lembrar que boa parte da valorização da Bovespa e do real reflete o movimento global de busca por rendimentos atraentes, do qual o Brasil é um dos maiores beneficiários. Porém, esse ávido apetite por risco pode estar com os dias contados, com os mercados reforçando as especulações de que o Federal Reserve deve apertar o custo do empréstimo nos Estados Unidos em breve. E essa preocupação tende a influenciar os negócios locais.

 

As apostas de aumento da taxa de juros norte-americana fortalecem o dólar nesta manhã, que é negociado nos maiores níveis em quase um mês ante os rivais, e elevam o rendimento dos títulos soberanos dos EUA (Treasuries). O papel de dois anos registra o maior avanço desde novembro, reduzindo a diferença ante o prêmio do T-bond de 30 anos para o nível mais baixo desde janeiro de 2008, enquanto a taxa da T-note de 10 anos tem o ganho mais alto desde novembro. Tudo isso diante da possibilidade de 34% de aperto monetário já em setembro.

 

A expectativa dos investidores é de que o relatório oficial do mercado de trabalho nos EUA (payroll), na sexta-feira, seja decisivo na avaliação sobre quanto a maior economia do mundo vivenciará um novo aumento dos juros. Um número bom e forte sobre a geração de emprego nos EUA deve abrir espaço para o Fed se mover no próximo mês. E poucos esperam um dado frustrante no payroll de agosto, como observado em maio, quando um saldo muito pequeno de novas vagas eliminou a possibilidade de que a primeira alta dos juros neste ano ocorresse em junho – o que, de fato, acabou não acontecendo.

 

Nesse sentido, a agenda norte-americana traz como destaque a pesquisa ADP sobre a geração de postos de trabalho no setor privado do país em agosto (9h15). O dado é tido como uma prévia do que pode trazer o payroll, na sexta-feira.

 

Ainda nos EUA, saem o índice sobre a atividade industrial na região de Chicago (10h45) e novos números sobre o setor imobiliário (11h). Outro ponto de relevo são os discursos dos diretores das distritais de Boston, Chicago e Minneapolis do Fed. À espera desses eventos, os índices futuros das bolsas de Nova York estão na linha d'água.

 

À noite, a China divulga dados sobre os setores da indústria e de serviços. As principais bolsas asiáticas encerram a sessão sem uma direção definida, mas o índice MSCI da região Ásia-Pacífico registrou o segundo mês seguido de valorização. Na Europa, as principais bolsas europeias estão de lado, pressionadas pelas ações dos bancos alemães, após relatos de fusão entre o Deutsche Bank e o Commerzbank.

 

Ainda assim, o índice Stooxx Europe 600 deve subir em agosto, no quinto mês de ganhos dos últimos seis. Logo cedo, a zona do euro informa a leitura preliminar deste mês dos preços ao consumidor (CPI) e a taxa de desemprego em julho. Ambos os dados podem calibrar as chances de novos estímulos na região da moeda única por parte do Banco Central Europeu (BCE).

 

Please reload

Posts Destacados

Mercado monitora vírus, mas agenda ganha força

23.01.2020

1/6
Please reload

Posts Recentes

15.01.2020

Please reload

Posts Relacionados
Please reload

Inscreva-se 

Receba as principais notícias por e-mail.

 

  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow

Por favor, insira um email válido

© 2015  Olívia Bulla By ImageLab.