PIB dos EUA agita negócios, antes de pauta no Congresso

24.11.2015

 

O tema fiscal volta à pauta do Congresso nesta terça-feira, o que deve manter os mercados domésticos em compasso de espera até o fim do dia. Mas enquanto aguardam a apreciação das diretrizes orçamentárias de 2016, bem como da nova meta de 2015, os investidores recebem os números do Produto Interno Bruto (PIB) nos Estados Unidos, que podem reforçar a perspectiva de robustez da maior economia do mundo, permitindo um início do processo de normalização dos juros em dezembro.

 

O dado será divulgado às 11h30 e a estimativa nesta segunda leitura do indicador referente ao trimestre passado é de revisão para cima, com a taxa anualizada apontando crescimento de 2,0%, ante leitura original de 1,5%. Depois, saem o índice de preços de imóveis em cidades norte-americanas em setembro (12h) e também o índice de confiança do consumidor dos EUA neste mês (13h).

 

À espera desses números, os índices futuros das bolsas de Nova York estão no azul, ao passo que o dólar perde terreno para as moedas rivais - o que abre espaço para uma recuperação das commodities - em meio às incertezas sobre o ritmo a ser adotado pelo Federal Reserve no processo de normalização monetária. Em uma carta, a presidente Janet Yellen reafirmou que o aperto no juro norte-americano será gradual, após a primeira alta desde 2006.

 

Para ela, seria pior para os EUA e seus cidadãos manter os Fed Funds perto de zero por mais tempo. Contudo, um aumento agressivo na taxa poderia afetar também o vigor da economia norte-americana, levando-a a um paralelo com o Japão - que mantém o juro zero a pelo menos 25 anos. Na curva a termo, a possibilidade de subir a taxa em dezembro avançou para 74%.

 

De olho nesse movimento do Fed, e os efeitos dos dados do PIB dos EUA nos negócios hoje, o Banco Central brasileiro voltou a se antecipar, ofertando mais US$ 500 milhões   em leilões de linha, a fim de acomodar a cotação do dólar ante o real. No exterior, as moedas de países emergentes e correlacionadas às commodities se recuperam, com destaque para o ringgit malaio.

 

Entre as bolsas, Xangai e Tóquio tiveram leves altas, de 0,16% e de 0,23%, enquanto Hong Kong teve leve baixa, de 0,24%. Na Austrália, a Bolsa de Sydney recuou 0,4%, liderada pelas perdas de quase 2% nas ações das mineradoras BHP Billiton e Rio Tinto. Já na Europa, o sinal negativo prevalece, em meio aos alertas na Bélgica e diante da perspectiva de crescimento menor da maior economia da região, a alemã.

 

Pela manhã, a Alemanha confirmou que o PIB do país teve expansão de 0,3% no terceiro trimestre deste ano, repetindo a estimativa preliminar divulgada em meados deste mês. O crescimento econômico alemão foi liderada pelo consumo privado e do governo, com o comércio internacional se arrastando em meio à desaceleração global. Porém, em 2016, o PIB alemão deve crescer menos do que em 2015, na faixa de 1,5% ante 1,8% neste ano.

 

Já no Brasil, a terça-feira começa com a divulgação, às 8 horas, da leitura regional do IPC-S e da expectativa dos consumidores para a inflação. Depois, às 9 horas, o IBGE publica a Pnad referente ao terceiro trimestre de 2015. Será a primeira vez que a pesquisa divulgará o rendimento médio de todos os trabalhos e a taxa de desocupação de todas as capitais. Também é esperado para hoje o relatório mensal da dívida pública em outubro.

 

No Congresso, a expectativa é de que aconteça, na noite de hoje, a sessão conjunta entre deputados e senadores para analisar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) com os parâmetros do Orçamento de 2016 e a revisão da meta fiscal de 2015. Antes desses dois projetos de lei, ainda tem de ser apreciado um veto presidencial sobre o aumento da CSLL a bancos e seguradoras.

 

Da mesma forma, a votação da MP sobre a nova tributação de bebidas frias e sobre o fim da isenção de PIS-Cofins a produtos eletrônicos é esperada para esta terça-feira. Primeiro, o parecer precisa ser aprovado na Comissão Mista e, depois, nos plenários da Câmara e do Senado para, então, ser convertido em lei.

 

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, também estará no Congresso hoje, em audiência para defender a desvinculação das receitas da União (DRU). Já o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, vem a São Paulo, onde participa de fórum sobre "infraestrutura de transportes". A presidente Dilma Rousseff participa de cerimônias em Brasília, ao passo que o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, inicia hoje a reunião de dois dias de política monetária para decidir sobre a atualização da taxa Selic.   

 

Please reload

Posts Destacados

Acordo comercial fica em suspenso

21.11.2019

1/7
Please reload

Posts Recentes

06.11.2019

Please reload

Posts Relacionados
Please reload

Inscreva-se 

Receba as principais notícias por e-mail.

 

  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow

Por favor, insira um email válido

© 2015  Olívia Bulla By ImageLab.