Semana fecha com surpresa da Petrobras

16.05.2015

 

 

Menos de um mês depois de divulgar os resultados auditados da segunda metade de 2014, a Petrobras voltou a publicar um balanço financeiro nesta sexta-feira, desta vez, referente ao início de 2015, com números surpreendentes.

 

Enquanto o mercado esperava, em média, queda de 50% no lucro líquido em relação aos três primeiros meses do ano passado, os ganhos da estatal petrolífera oscilaram em baixa de 1%, para R$ 5,3 bilhões ao final de março deste ano. Essa rubrica azul, vale lembrar, reverte um megaprejuízo de R$ 26,6 bilhões apurado no último trimestre de 2014, em meio às baixas contábeis da Lava Jato.

 

A reação ao demonstrativo da Petrobras ficou para segunda-feira, o que dá tempo aos investidores para digerir os números. No after hours em Nova York, à noite, os recibos de depósito que representam ação (ADRs) ON da companhia subiam mais de 4%; os da PN caíam quase 2%. Questionado sobre o pagamento de dividendos este ano, o diretor financeiro da companhia, Ivan de Souza Monteiro, afirmou que “dividendo vai depender do resultado, e se apurado lucro neste ano, pagaremos naturalmente”.

 

Já na sessão do dia na Bovespa, houve um sobe e desce dos papéis da companhia. Mas tanto as ações ON e PN da Petrobras quanto o próprio Ibovespa encerraram o dia em alta.

 

A questão é que o fluxo de capital estrangeiro continua forte em direção às ações brasileiras, o que contribui para a valorização de quase 15% da Bolsa desde janeiro. Somente em maio já entraram mais de R$ 1,8 bilhão antes da metade do mês.

 

Com o fechamento da sessão hoje, as perdas acumuladas na semana foram apagadas e ainda ficou uma ligeira alta, com o Ibovespa de volta aos 57 mil pontos. De quebra, o índice à vista ganhou maiores chances de retomar a trajetória ascendente iniciada em março, rumo aos objetivos nos 58,9 mil pontos, inicialmente, e aos 60,2 mil pontos, depois.

 

Porém, dois fatores jogam contra essa ascensão: o investidor local, que mostra um “pessimismo exagerado”, conforme palavras do diretor-presidente da BM&FBovespa, Edemir Pinto; e o dólar, que depois de subir para além dos R$ 3,00 e deixar a Bovespa “barata” aos olhos dos “gringos”, testou esse suporte na semana mas, no fim, o preço acabou atraindo compradores e a moeda norte-americana terminou o dia em alta.

 

O movimento do mercado cambial doméstico, contudo, foi na contramão da direção vinda do exterior, onde o Dólar Index perdia terreno em relação a uma cesta de moedas, com novos indicadores sobre a economia dos Estados Unidos sinalizando que o juro na maior economia do mundo não deve subir tão cedo.

 

Enquanto a atividade industrial no país caiu pelo quinto mês consecutivo, a confiança do consumidor norte-americano voltou aos níveis de sete meses atrás. Na semana que vem, a ata do encontro de política monetária de abril do Federal Reserve deve tratar dessa recente perda de tração nos dados de curto prazo.

 

Um dos maiores beneficiados desse menor vigor do dólar foi o euro, que se firmou  na marca de US$ 1,14, registrando a quinta semana consecutiva de alta ante a divisa dos EUA, mesmo após a da turbulência que assolou o mercado de bônus esta semana. Já as bolsas de valores conseguiram apagar as perdas que vinham acumulando desde segunda-feira. O S&P 500, de quebra, registrou um novo recorde, aos 2,122.71 pontos.

 

Afinal, sem pistas de aperto na liquidez que jorra recursos no mercado global, boa parte desse dinheiro vai para os ativos de risco, como as ações. No Brasil, o fluxo de capital externo já está positivo em quase R$ 20 bilhões, mas o aporte desse recurso compete duramente com a renda fixa doméstica, onde o diferencial de juros da Selic ante o praticado no exterior atrai investimentos estrangeiros.

 

Aliás, o diretor de Política Econômica, Luiz Awazu, frisou que a política monetária foi, está e seguirá vigilante para que a inflação convirja rumo à meta de 4,5%, ancorando as expectativas dos diversos agentes econômicos. Segundo ele, “progressos foram feitos”, “mas ainda não são suficientes”.

 

Na curva a termo de juros futuros, a aposta é de manutenção do ritmo em 0,50 ponto porcentual no último encontro do Copom neste semestre, no início do mês que vem. Ainda tem um saldo na outra reunião, em julho.

 

Mas essa discussão de altas para além de junho vai depender muito dos próximos números de atividade e inflação no Brasil, principalmente, pois os mais recentes dados já vem mostrando que a economia do país não aguenta mais tanta atuação contracionista, ao mesmo tempo que o mercado de trabalho, o dólar e os preços administrados estão jogando a favor do combate à alta dos preços.

 

Os efeitos da política monetária, vale lembrar, demoram alguns meses para serem sentidos. A questão é que, a depender da carga total de aperto na Selic e do timing do Fed na primeira alta dos Fed Funds desde 2006, será definida a direção do fluxo de/para ativos mais arriscados, como a renda variável.

 

 

Please reload

Posts Destacados

Teto de vidro na política pressiona mercado

12.08.2020

1/9
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Posts Relacionados
Please reload

Inscreva-se 

Receba as principais notícias por e-mail.

 

  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow

Por favor, insira um email válido

© 2015  Olívia Bulla By ImageLab.