A indústria e os bancos na China

24.04.2015

 

 

 

Duas importantes notícias vindas da China nesta semana parecem, à primeira vista, estarem desassociadas uma da outra. Mas, na verdade, ambas estão intrinsecamente relacionadas.

 

O corte na taxa do compulsório bancário (RRR, na sigla em inglês) na China para 18,5%, na segunda redução do ano, e a desaceleração da indústria chinesa ao menor nível em 12 meses, segundo o HSBC, mostram que é preciso passar um “pente fino” nos negócios do país, ajustando as concessões de empréstimos dos bancos aos setores da atividade em meio à desaceleração econômica do país rumo a um “novo normal”.

 

“Com a economia chinesa mudando as marchas, os bancos estão andando na linha para aumentar o crédito e apoiar a economia real, controlando os empréstimos não-pagos (NPL, na sigla em inglês)”, afirmou à agência estatal chinesa Xinhua o chefe do instituto de finanças internacionais do Banco da China (BoC), Zong Liang. Ele lembra que os empréstimos ruins continuam como um desafio para a indústria neste ano, com a taxa de NPL nos cinco maiores bancos chineses - incluindo o BoC - fechando 2014 acima de 1%.

 

Desse modo, o “velho normal” - que durou 35 anos, entre 1978 e 2013, quando o crescimento anual chinês rondou 10%, na média, ao custo de uma grave poluição do ar e intensa exploração de recursos naturais - vem sendo substituído por uma expansão mais sustentável, guiada pelo consumo doméstico, o setor de serviços e, principalmente, a inovação tecnológica.

 

Nesse caminho, para o qual não tem como voltar para trás, a concessão de crédito à chamada indústria pesada será transferida, gradualmente, às pequenas e médias empresas, ao setor agrícola e a projetos de envergadura, ligadas à água e aos transportes, por exemplo. A expectativa é de que o mais recente corte injete até 1,3 trilhão de yuans (US$ 210 bilhões) na economia real.

 

Portanto, o corte no chamado RRR, que entrou em vigor na segunda-feira, é oportuno.

 

Cabe agora aos bancos chineses melhorar o mix de empréstimo, em linha com o aprimoramento da indústria do país e da reestruturação econômica. A tarefa é reduzir os empréstimos às indústrias poluentes, de alto consumo de energia e com excesso de capacidade, intensificando o apoio a indústrias estratégicas, o que deve ajudar na fabricação de equipamentos de alta qualidade, na modernização de serviços e no aperfeiçoamento de indústrias tradicionais.

 

Ao que tudo indica, os bancos privados chineses estão mais dispostos em incentivar a implantação de novas empresas e de novos modelos de negócios, enquanto os cinco grandes bancos do país ainda precisam aprender a ser mais ágil, já que seus clientes tradicionalmente importantes são grandes empresas estatais, sendo que muitas vêm enfrentando excesso de capacidade e diminuição do lucro.

 

 

Please reload

Posts Destacados

Dia de decisão de BCs

11.12.2019

1/8
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Posts Relacionados
Please reload

Inscreva-se 

Receba as principais notícias por e-mail.

 

  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow

Por favor, insira um email válido

© 2015  Olívia Bulla By ImageLab.